quarta-feira, 6 de julho de 2011

A SportZone e a minha primeira reclamação por escrito

Hoje estreei-me na arte de bem escrever nos livros de reclamações. Pois que fiz uma compra na SportZone a qual tentei pagar com cartão multibanco. Como, segundo a menina, a maquina estava com a macacoa e estava só a dar erro, a moça cancelou o movimento e pediu-me (explicando sempre que como tinha cancelado a operação aquilo não ia sair da conta) se não ia levantar dinheiro e pagar em numerário. Assim fiz, a caixa multibanco era mesmo em frente a loja e o processo foi relativamente rápido. Acontece que hoje, ao tirar um extracto, qual não é o meu espanto quando vejo uma quantia debitada pela SportZone através do cartão...ou seja... paguei duas vezes.
Pus perninhas ao caminho, dirigi-me lá, expliquei a situação, á qual a moça que lá estava não deu grande importância  Telefonou para alguém superior que disse que o valor não me poderia ser devolvido até futuras averiguações se tinha sido mesmo lá. Passei-me!! Então quer dizer... o talão não serve de nada, tal como o extracto bancário também não serve de nada com tudinho lá escarrapachado??? Averiguações??? Então mas qual era o meu interesse em tentar enganar a dita loja, se não tivesse mesmo provas de que tinha pago duas vezes??? A moça, mal educada que foi, continuou a bater o pé que não me devolvia o dinheiro, que se eu quisesse esperar até as onze horas (hora que fechava a loja) que poderia esperar, que estava a vontade porque a ela não lhe fazia diferença, caso contrario poderia sair da loja que o assunto poderia ser resolvido e após averiguações logo haveria de chegar resposta se me devolviam o dinheiro ou não. Ainda me disse que não precisava de clientes assim, porque não eram os clientes que lhe pagavam o ordenado (então e se a loja não vender, porque os clientes não vão lá, o patão paga-lhe como???). Rodei a baiana, pedi-lhe o livro de reclamações e o nome, agora é esperar por resposta das duas partes (da parte da SportZone sobre a devolução do dinheiro e da parte da reclamação).
Em relação aos livros de reclamação, tenho a dizer que aquilo tem muito pouco espaço para escrever. É que entre explicar a situação e reclamar não há espaço para tanto e ou temos uma letra muito, muito pequenina, ou estamos sujeitos a que fiquemos com a reclamação pela metade.

Não sei se é normal, mas atrás de mim estava outro senhor também a espera para escrever no livro de reclamações. Fogo... até fazíamos fila...

12 comentários:

Mary Jane disse...

É assim mesmo. Os livros de reclamações não existem para fazer de conta!

Anónimo disse...

Já me aconteceu isso e estava no lugar da vendedora (não de uma loja de roupa). A verdade é que não podemos devolver o dinheiro, por razões admnistrativas, técnicas blá blá blá. Mas depois de confirmado o erro é tudo reposto, como é óbvio. Por isso não vale a pena enervar-se, porque no fim escreveu no livro de reclamações (o que apoio totalmente) mas foi-se embora sem o seu dinheiro e a reclamção não vai dar a lado nenhum (porque a explicação é um erro informático por parte da comunicação do banco).
;)

formiga disse...

Os "nervos" apenas surgiram após a má educação da menina, porque logo desde inicio insinuou que a estava a tentar enganar. Eu sei (porque já trabalhei também atrás de um balcão) que as coisas não são feitas do pé para a mão, mas más educações não tolero, porque também não o fui com ela.

Anónimo disse...

Sem dúvida! Comigo foi o oposto a cliente tinha sido completamente intolerável e de qualquer das formas tive que a "engolir"...mas pronto, nem tdos tem dias bons ;)

Martine disse...

Sobre o espaço que os livros de reclamações têm para escrever, estou completamente de acordo. É pequeno e tem de se estar a fazer continuação nº1, continuação nº2

Filipa Arez disse...

fogo, é muito estranho, já trabalhei no grupo sonae e caso uma situação dessas acontecesse, só tínhamos de devolver o dinheiro e desfazermo-nos em desculpas... mas gente mal criada há em todo o lado.

já agora, adorei o blog, vou passar a seguir :)

Sofia disse...

É assim que se perdem clientes...eu também sou como tu, quando é preciso peço o livro de reclamações!
Beijinho

*C*inderela disse...

uma vez aconteceu-me isto na cortefiel, passou o cartão uma vez mas eu sem crer toquei e a operação foi cancelada, passou a segunda e efectuei a compra. quando saí da loja fui verificar o saldo e vi que tinha pago duas vezes (a 1º não tinha sido cancelada). voltei à loja e disseram que poderia ser um erro do banco, caso não fosse reposto o dinheiro para voltar lá para ver se ao final do dia eles tinha dinheiro a mais na caixa para devolve-lo.
comigo, felizmente, foi erro do banco que foi resolvido logo no dia a seguir.

bjokas

Anónimo disse...

Gostava que se metessem muitas vezes no papel dos lojistas...que constantemente aturam a má educaçao dos seus clientes...roupa no chão...comida dentro das lojas...arrogancia...por isso deixem de falar mal das pessoas que vos atendem

Pipa disse...

Caro anonimo...
Também eu já fui lojista e não foi isso que me fez ser mal educada com as pessoas. Se muitas vezes ia mal disposta para o trabalho... ia, mas nem por isso descarregava o mau humor nos clientes. Optei por procurar outra coisa que me satisfizesse mais.

Anónimo disse...

Tenho conhecimento e já presenciei, como cliente, que muitas pessoas mentem quando o funcionário/a não faz o que o cliente quer, claro que o caixa teria que confirmar no final do dia se haveria erro, porque extractos falsos também consigo fazer na minha impressora. Você não quis adiar para o dia seguinte, e como frustração carrega sobre quem lhe está à frente.

Pipa disse...

Caro anónimo desta vida: não descarreguei a frustração na empregada. Frustrada era ela que tratou mal os clientes,as pessoas que lhe pagam o ordenado no final do mês, porque caso contrario, se não houver clientes, não há lucro consequentemente há despedimentos e não pagamento de salários... certo? E não era só eu a fazer reclamação contra ela.
Se há quem falsifique extractos bancários para conseguir as suas intenções não faço parte desse grupo de certeza. Apenas quis reaver aquilo que era meu por direito, uma vez que paguei duas vezes. Quanto ao não ter esperado para o dia seguinte, não, não esperei porque já tinha passado pelo menos quinze dias da compra(e do pagamento em duplicado)quando o extracto me apareceu em casa, portanto só após ter o extracto é que me dirigi ao local. Durante dois meses dirigi-me a dita loja pelo menos uma vez por semana para me ser paga a quantia devida. Só ao fim de dois meses é que reavi o meu dinheiro. Ora todos estes grupos tem contabilidade organizada mensal, ou pelo menos é para isso que servem os trabalhadores que trabalham na tesouraria e por ai, logo, após a confirmação de extractos deles e da caixa era facil ver que havia dinheiro a mais... alias, uma simples empregada de loja, com quem falamos também referiu que era fácil darem o dinheiro no próprio dia, bastava anular o pagamento a dinheiro e reemitir o talão do pagamento na maquina!