quinta-feira, 10 de março de 2011

Desabafo...

Do alto dos meus 25 anos começo agora a perceber que quanto mais damos, mais nos é exigido. Já quem não dá nada... é como se nem existisse e isto a mim dana-me, irrita-me e faz-me rugas, porque sou tão responsável agora como era há dez anos atrás (sim sempre fui muito responsável) e não deixo nada por fazer. Sou tão responsável nas actividades de lazer como sou no trabalho e irrita-me quando me cobram coisas para as quais ninguém me deu informação, e quando me dizem que não estou a cumprir devidamente as minhas funções só porque não fiz uma inscrição (sim tinha-me falecido a avó há dois dias e não estava propriamente disposta a actividades lúdicas) ou porque não receberam o mail completo que afinal foi bem enviado são coisas para me deixar fora de mim e desatar a chapada a toda a gente, mesmo aqueles de quem gosto e que achei que nunca me iam apontar o dedo. Porque afinal sou eu que deixo tardes de estudo para introduzir dados para os quais ninguém me paga, porque sou eu quem gasta gasóleo para ir a reuniões que nem sequer são minha obrigação, porque sou eu que só vê o M. ao fim-de-semana e que depois acaba por descurar dele para aturar putos que não são meus filhos, e que acaba por se chatear com o M. porque ele não entende o porquê disto tudo (e se calhar com razão). Mas isto um dia muda... ai muda, muda. Basta eu começar a habituar as pessoas de outra maneira, porque enquanto eu resolver tudo, qual Liedson dos Scouts, vou continuar a levar na cabeça a frente de toda a gente sem nunca ter sido chamada a atenção em privado.

4 comentários:

Me disse...

Keep calm and carry on!

Susana Gatita disse...

Ó Formiga, tens toda a razão! Olha que eu tenho 44 anos e só há pouco tempo descobri isso. Só que passei logo à acção, agora esforço-me em ser como "os outros". Viver não custa, custa é saber viver...

Mary Jane disse...

Compreendo-te... Isso de estar lá sempre, em todas, cumprir e nem sempre ser reconhecido da melhor maneira é do pior que há =/ Mas sabes, se tu não estivesses lá, tenho a certeza que as pessoas iam dar pela falta.

Pacha disse...

Se houve alguma coisa que aprendi na vida, é que quanto mais ajudamos, quanto mais nos esforçamos mais exigem de nos e se por algum motivo erramos cai-nos tudo em cima. Os outros que nada fazem acabam sempre com os louros. Por isso é que comecei a ter mais calma comigo mesma e deixar que os outros resolverem as próprias trapalhadas. Por muito que me esforce, sou sempre eu que levo na cabeça, com culpa ou sem ela. Puff! Sê tu própria, mas pensa em ti e nas tuas prioridades primeiro, os outros... Como se costuma dizer: que se lixem!

Beijinhos!